quarta-feira, 6 de abril de 2011

Qual a distância entre o teu amor e o meu ódio?
E a medida que rugi recuando o ar e elevando os sonos?

Esta liberdade vestida de Paz
Retorce a alegria e a tristeza

Tal Paz ousada não suspende a felicidade
Mas aceita as canções dos Céus aos ossos

Persegue a verdade e as flores
Suspira...Confia!

E a sensação da mesma altura
Desapegada bate em cheio

Até mesmo abaixo do raro silêncio vermelho
Há Paz!


Nenhum comentário:

Postar um comentário